EM BUSCA DA MATURIDADE HUMANA


Olá amigos! Neste início da noite, fui olhar minha caixa postal para ler meus e-mail's e econtrei um em especial enviado por minha amiga, a Marianne Teixeira, que falou muito ao meu coração, fazendo-me remecher em algumas feridas ainda abertas em minha alma. As feridas que trazemos na alma, acredito serem as mais difíceis de serem cicatrizadas, leva tempo, precisa de paciência para sarar. As feridas que trazemos expostas, estas podem ser curadas mais facilmente, com remédios anti-inflamatórios e com cicatrizantes. Mas as da alma, repito: demora muito para desinflamar. Mas através do e-mail que a Marianne me enviou pude encontrar um grande remédio chamado MATURIDADE.

Quero postá-lo aqui, pois sei se ele me ajudou a pensar e para a filosofia o pensar é uma forma de interferir, quero que este texto do Padre Fábio de Melo também interfira na tua vida ajudando-te a refletir a própria situação a qual vc se encontra e descobrir como eu, este rémédio que todos nós precisamos, para não sofrermos desneceçariamente e não caminharmos pela vida carregando sempre as nossas machucaduras.

Eis o texto:

“Uma das características da infância é a incapacidade de dividir coisas. Uma criança não pode dividir porque não se possui, porque ainda não sabe o que ela é. Você começa a identificar a maturidade, a partir do momento que uma criança consegue perceber as regras de um joguinho. A maturidade faz parte de um processo. Em um processo não podemos queimar etapas. Ele é lento, chato e demorado. Uma criança passa por um momento de amadurecimento a partir do momento que começa a brincar. A maturidade acontece, quando tomamos posse do que nós somos, para aí então poder nos dividir com os outros. Isso faz parte do processo de maturidade. Não nascemos amando, pelo contrário, queremos ter a posse dos outros. Essa é a forma de amar da criança, pois ela não consegue pensar de maneira diferente. Ela não consegue entender que o outro não é ela. Quantas pessoas já adultas pensam assim, trata-se da incapacidade de amar, falta de maturidade.Todos os encontros de Jesus levam a implantação do Reino de Deus. Mas só pode implantar esse reino quem é adulto, que já entende que só se começa a amar a partir do momento, que eu não quero mudar quem eu amo. Geralmente quando tememos alguém ruim ao nosso lado, é porque nos reconhecemos naquela pessoa. Jesus não tinha o que temer porque era puramente bom, por isso contagiava os que estavam ao seu lado.
Na maturidade de Jesus você encontra a capacidade imensa de amar o outro como ele é. Amar significa: amar o outro como ele é. Por isso quando falamos em amar os outros, podemos perceber o quanto deixamos de ser crianças. A santidade começa na autenticidade. Por isso Jesus nos pede para ser como as crianças, que são verdadeiras e simples. É nisso que devemos manter da nossa infância e não a forma de possuir as coisas para si.Você tem condições para perceber a sua maturidade. É só observar se você é obediente mesmo quando não há pessoas ao seu redor. Você não precisa que ninguém te observe, pois você já viu aquilo como um valor. Pessoas imaturas sofrem dobrado. Pessoas imaturas querem modificar os fatos, pessoas maduras deixam que os fatos os modifiquem. A maturidade nos faz perceber que não podemos mudar os fatos. Um imaturo ganha um limão e o chupa fazendo careta. O maduro faz uma limonada com o limão que ganhou. Muitas vezes os nossos relacionamentos de amizade são um fracasso porque somos imaturos. Amigos não são o que imaginamos, mas o que eles são e com todos os defeitos. Amizade é processo de maturidade que nos leva ao verdadeiro encontro com as pessoas que estão ao nosso lado. Elas têm todos os defeitos, mas fazem parte da nossa vida e não a trocamos por nada deste mundo. Padre só pode ser padre a partir do momento que é apaixonado pelos calvários da humanidade. Se você não consegue lidar com os limites dos outros, é porque você não consegue lidar com os seus limites. A rejeição é um processo de ver-se.
Toda vez que eu quero buscar no outro o que me falta, eu o torno um objeto. Eu posso até admirar no outro o que eu não tenho em mim, mas eu não tenho o direito de fazer do outro uma representação daquilo que me falta. Isso não é amor, isso é coisa de criança. O anonimato é um perigo para nós. É sempre bom que estejamos com pessoas que saibam quem somos nós e que decisões nós tomamos na vida. É sempre bom estarmos em um lugar que nos proteja. Amar alguém é viver o exercício constante, de não querer fazer do outro o que a gente gostaria que ele fosse. A experiência de amar e ser amado é acima de tudo a experiência do respeito. Como está a nossa capacidade de amar? Uma coisa é amar por necessidade e outra é amar por valor. Amar por necessidade é querer sempre que o outro seja o que você quer. Amar por valor é amar o outro como ele é, quando ele não tem mais nada a oferecer, quando ele é um inútil e por isso você o ama tanto. Na hora que forem embora as suas utilidades, você saberá o quanto é amado. Tudo vai ser perdido, só espero que você não se perca. Enquanto você não se perder de si mesmo você será amado, pois o que você é significa muito mais do que você faz. O convite da vida cristã é esse: que você possa ser mais do que você faz! ”

Padre Fábio de Melo.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Lu

    Reli o texto do pe. fabio postado no seu blog. Ele é de uma profundidade imensurável... qdo o li tb fui muito tocada... instantaneamente senti as feridas da alma acordarem... lembrei-me novamente do meu primeiro post do meu blog, qdo eu me remetia ao etileno, hormônio vegetal responsável pelo processo de queda das folhas e ao mesmo tempo, de maturação dos frutos... e percebi que continuo uma criança que não sabe dividir os brinquedos.

    Estava chateada com uma pessoa, por ter me sentido incompreendida por ela. Esse texto foi bálsamo pra mim. Na hora que me reconheci nele, percebi que o perdão tomou conta de mim, e a chateação passou. O trecho:

    "Se vc ñ consegue lidar com os limites dos outros, é pq vc ñ consegue lidar com seus limites. A rejeição é um processo de ver-se"

    ...foi como uma flecha em minha alma, e essa flecha trouxe consigo na ponta um antídoto para a minha cegueira, refleti muito essa frase e percebi que realmente eram os meus limites que eu estava vendo refletidos nela. Quantas vezes eu sou incompreensiva tb?

    Ainda estou refletindo... e procurando, atentamente meus reflexos nos outros... gostaria de ter assistido à pregação, pq ele falando é muito melhor.

    Mas, hoje, eu só tenho que agradecer à Deus pq o Pe. Fábio existe... e eu quero aprender muito mais com ele.

    Beijocas!!!

    ResponderExcluir